Como eu decidi parar de trabalhar e ser mãe tempo integral

Como eu já contei anteriormente, a minha gravidez foi super planejada e desejada, mas, diferentes das outras mães, eu não conversava com a minha barriga, não cantava, não li livros, não conhecia outras grávidas e tão pouco convivia com bebês. Então eu posso dizer que este “instinto materno” só me caiu quando eu realmente olhei o meu bebê pela primeira vez. Mas ai também… foi uma enxurrada tão grande de amor que saiu quebrando tudo que tinha no caminho, assim como os meus planos, minha rotina e minha vida.

Ai como eu amo esse pezinho!

Ai como eu amo esse pezinho!

Eu me lembro como se fosse hoje, quando a minha chefe me perguntou, quando eu estava com uns sete meses de gravidez, se eu iria voltar a trabalhar. E lembro melhor ainda qual foi a minha resposta:

-Claro que vou, mais do que nunca vou precisar!

A minha resposta foi a mais sincera possível, e até aquele momento não passava, nem em sonho, qualquer outra possibilidade pela a minha cabeça.

Pois bem… os meses se passaram, e por mais dores na coluna que eu tivesse, trabalhei até o último dia.

No dia do nascimento do Dudu (e meu também) eu tive aquela grande explosão de sentimentos que comentei no começo, e é claro, nem lembrava que trabalho existia, fiquei na minha “lua de leite” durante muito tempo, e tive até dificuldade de sair do “casulo” com o meu baby. 

A medida que os meses se passavam eu começava a refletir na vida, no trabalho, na rotina, em desmame, em ficar longe do Dudu… e isso me deixava doente. Tentava desviar o pensamento, e nada. Isso estava começando a prejudicar os bons momentos. Eu via que eu nunca conseguiria deixar aquela coisinha miúda longe de mim, chorando por não ter o seu peito, esperando horas até que eu fosse busca-lo etc.

Chegando próximo a data do retorno, eu tive que conversar sério com o meu marido, afinal de contas, essa decisão não se toma sozinha. Foram muitas noites e muitas horas pensando nos planos A, B e C, no que mudaria na nossa vida, no que abriríamos mão ($), no que seria melhor para o bebê e graças a Deus, nós compartilhávamos a mesma opinião. Era melhor eu ficar com ele.

Depois desse dia, a paz voltou para dentro de mim. Apesar de jamais ter passado pela minha cabeça nunca mais trabalhar na vida, muitas pessoas, é claro, criticaram. Ouvi coisas do tipo: você não vai se adaptar, você não consegue ficar parada (sabe de nada inocente), não vai conseguir se recolocar no mercado, ninguém contrata pessoa que parou de trabalhar depois que virou mãe. Enfim, um monte de asneiras. E é claro, só nós sabíamos o que era melhor para a nossa família.

Vejo que essa, foi uma das melhores decisões da minha vida. Pude ficar com o meu baby até eu sentir a necessidade NELE de ir para uma escolinha ou creche, curti cada sorriso, cada engatinhada, cada passo, cada colher de comida, cada palavra, cada fralda, enfim tudo o que a maternidade podia me oferecer.

Hoje ele está muito feliz na escolinha, entrou com 1 ano e sete meses, e eu voltei a trabalhar sem prejudicar em nenhuma virgula a minha carreira. Me considero, melhor profissional, mãe e mulher hoje pois tenho a maior motivação do mundo. Apoio e respeito muito as mães e escolhem se dedicar aos filhos nos primeiros anos de vida, porque como eu digo; Eu nunca trabalhei tanto na vida, mas nunca fui tão feliz!

Grandes beijos mamães!

 

Anúncios

Dudu aprontando no aeroporto

Passado quase dois meses, hoje consigo contar para vocês, com um leve sorriso no rosto, como foi a volta da viagem de natal.
Na última vez que viagei com o Dudu, eu tive a infelicidade de errar a data de volta perdendo o vôo direto. Por causa desse “pequeno” detalhe, eu tive que voltar fazendo escala em outra cidade, o que me deixou com mais de quatro horas de viagem… Vocês, queridas mamães, já podem imaginar como tudo foi tranquilo né…
As boas notícias já foram aparecendo assim que eu fiz check-in, pois, se eu já havia levado o limite de peso na ida, a volta pós-natal (e com direito a um penico a mais na mala entre outros presentes), me deixou com excesso de bagagem além de milhões de sacolas na mão (e do pacotinho Dudu).
Chega do no avião, obviamente, o Eduardo, com um ano e três meses e dotado de muita força e grito,não queria ficar parado nenhum segundo. E para melhorar, ao meu lado um casal de velhinhos com direito a braço imobilizado, bengala etc.
Bom… Durante o vôo eu nem preciso comentar… Ele chorou tanto, me deixou com muitos roxos, bateu a boca, com direito a sangue e tudo…
Eu estava ficando louca, pirada… Me lembrava de quando eu viajava antes de ser mãe e via as crianças dando escando e eu achando aquilo horrível… Mas não tinha jeito…
Finalmente, quando chego ao meu destino, tive que esperar meia hora (mesmo) para as malas chegarem, e nesse processo, descobri que a fralda do Dudu estava vazando (xixi)…. OMG, o que fazer??? Pensei comigo…. Não poderia ir troca-lo no banheiro com tantas coisas e com as malas, carrinho etc podendo chegar a qualquer momento… Tomei a decisão, decidi troca-lo rapidamente ali mesmo, afinal de contas, fazendo isso quinhetas vezes por dia e com uma fralda up and go não seria dificil (perto do que eu já tinha passado). E nessa empreitada, eu com uma certa vergonha, o Dudu me faz faz um baita xixi no chão! E lá fui eu limpar o chão do aeroporto enquanto aguardava…
O que importa foi que no final todos chegamos vivos rs!
Gente, eu tinha que desabafar rs. Foi “quase” traumatizante. Masssssss, é como eu sempre digo, isso passa e não vou deixar de viajar por causa de “detalhes” rs.
Grande beijo e boa noite!

A influência musical e o desenvolvimento da criança

Muitas pesquisas, desenvolvidas em diferentes países e em diferentes épocas, confirmam que a influência da música no desenvolvimento da criança é incontestável. Algumas delas demonstraram que o bebê, ainda no útero materno, desenvolve reações a estímulos sonoros. Para as crianças, … Continuar lendo

Como criamos os nossos filhos

Essa entrevista com o Presidente da Academia de Pediatria, Dr. José Martins Filho, me tocou profundamente. Assisti ainda com o Dudu recém nascido. Desde então os rumos de minha vida e de meu filho mudaram para sempre. Ela trata sobre como criamos os nossos filhos na sociedade atual e suas consequências, um relato maravilhoso e cheio de propriedade.

Para ficar por dentro dos assuntos postados curta a minha página no facebook: www.facebook.com/maenuela